Reuso de Água – Faça de maneira segura!

Quando o assunto é o reaproveitamento da água e a sustentabilidade dos recursos naturais finitos existe muita pesquisa, especialmente no setor de engenharia sustentável. Captação de água da chuva, cisternas, banheiros inteligentes, são alguns exemplos que contribuem para minimizar os impactos ambientais negativos. 

Nesse contexto foi criado o termo, pelo professor da UNESCO, Arjen Y. Hoekstra, da “pegada hídrica”. O conceito se divide em 3 tipos: azul, verde e cinza. A pegada hídrica trata sobre o volume de água nos processos da vida e do consumo; seja a água de rios e lençol freático, da chuva ou a que chega às torneiras. Tal divisão tem papel fundamental para entendermos o caminho do consumo de água e de como criar processos renováveis.

A água na cadeia produtiva

A preservação dos recursos naturais atualmente tem uma legislação bem ampla, e a fiscalização ambiental é o setor que supervisiona o cumprimento de diretrizes sobre diversos fatores que envolvem a exploração dos recursos finitos da natureza, tais como redução de consumo e medidas compensatórias. 

Emissão de carbono, recuperação de solo e de áreas degradadas, bem como a conservação de recursos hídricos estão entre as ações de controle ambiental que envolve o caminho dos recursos da cadeia produtiva.

Dentro da indústria têxtil por exemplo, há um estudo que afirma o gasto de 5 mil litros de água para a produção de uma única calça jeans. No processo de fabricação de um único automóvel é consumido em média 400 mil litros de água. 

 O assunto é bem amplo então vamos falar brevemente sobre algumas tecnologias que, com a ajuda da engenharia e das análises ambientais, possibilitam o reuso da água.

Reuso de Água – Diminua sua Pegada Hídrica (água tipo cinza)

Resumidamente,  a água cinza é gerada em processos residenciais. Lavar roupa, louça, escovar dentes, tomar banho, lavar o carro, o quintal, são hábitos que correspondem até 80% do esgoto domiciliar.

Para diminuir o impacto e o volume do esgoto que gera, a água usada em uma residência pode ser reutilizada no próprio local; o mesmo vale para as instalações de prédios comerciais e escritórios no âmbito industrial

Já existem sistemas inteligentes, como filtros embutidos que conectam a pia do banheiro à caixa do vaso sanitário; assim a água que escorre pelo ralo da pia do banheiro é reutilizada na descarga.

A água usada na máquina de lavar, além de poder ser reutilizada para lavar pisos e quintais, se conectada a um sistema de filtragem dos resíduos provenientes dos produtos de limpeza, pode ser reutilizada para regar plantas. No contexto industrial, empresarial ou comercial, a captação da água da chuva¹ pode fazer esse papel de reuso da água para limpeza e lavagem de áreas externas. Importante notar que, o tipo cinza não envolve a água do vaso sanitário pois esta entra em outra categoria. O efluente residencial gerado pelas descargas vão direto para a rede de esgoto. 

O efluente que a indústria gera, seja para produzir uma calça jeans, um automóvel ou embalagens plásticas, se implantado um projeto sustentável de reuso da água, também é considerada água cinza² (dependendo da atividade industrial). 

Água da Chuva – Legislação, incentivos e vantagens

Além da questão de consciência ambiental, a água da chuva é tipo verde, mas quando reutilizada entra na categoria cinza. Em São Paulo a Lei Municipal Nº 16.160/15 criou o Programa de Reuso de Água em postos e lava-rápidos.

A lei determina que donos de postos e lava rápidos façam a instalação de equipamentos para captação da água, tratamento e cisternas que armazenem essa água, com o objetivo de reduzir o uso de água da rede pública.

O investimento para a captação de água da chuva é relativamente baixo e o retorno sobre o investimento é atrativo do ponto de vista financeiro – cerca de 2 anos após a implantação. A manutenção também é simples e a captação de água da chuva gera autonomia nos períodos de seca. E de “brinde” a empresa pode usar tal medida como conteúdo de marketing, promovendo a ação que faz parte do pilar da responsabilidade social.

Do ponto de vista social a medida legal contribui para reduzir o esgotamento pluvial³, diminuindo o risco de enchentes no entorno dos estabelecimentos; já que a captação é também uma forma de represar parte da água que cai do céu, diminuindo o volume que iria para as galerias e rios.   

Se você pretende se tornar um adepto do reuso de água da chuva é fundamental procurar auxílio profissional para não se colocar em risco. Conte com a Mérieux NutriSciences para fazer a análise ambiental desta água e garantir a qualidade para o devido fim.

O tema é cíclico porque a linealidade aqui é insustentável! 

 

¹Vale ressaltar que o reuso da água da chuva não é potável. Ou seja, essa água não pode ser ingerida.
²Em breve faremos um conteúdo específico sobre a pegada hídrica para explicar melhor esse contexto das cores.
³Esgotamento é o mesmo que escoamento, logo, esgotamento pluvial é o escoamento de água da chuva. Portanto, nem sempre esgotamento está relacionado com efluente ou água poluída.

Escrito por

Mérieux NutriSciences

Como parte do Institut Mérieux, a Mérieux NutriSciences é um dos maiores grupos de laboratórios do mundo e se dedica a proteger a saúde dos consumidores, oferecendo uma vasta gama de serviços de análises laboratoriais às empresas e indústrias.

Receba nossas novidades