A importância do controle de alergênicos em alimentos

O controle de alergênicos e a implementação do Plano de Controle Alergênico (PCAL) é essencial para evitar evitar recalls de produtos e danos à marca.

Controle alergênicos: A alergia alimentar é uma resposta imunológica, mediada pela Imunoglobulina E (IgE), que ocorre em determinadas pessoas expostas a algum alimento que normalmente são inofensivos para a maior parte da população.

Os alimentos alergênicos estão relacionados em diversas legislações pelo mundo, todas elas possuem o intuito de alertar o consumidor alérgico, sobre a presença de determinados ingredientes alergênicos, derivados ou por contaminação cruzada, que pode ocorrer em um determinado produto industrializado. A legislação de cada país ou grupo de países prevê quais são os alimentos de maior consumo em suas regiões, por isso existem muitas divergências e diferenças nas legislações quando são comparadas.

A legislação de alergênicos no Brasil

Em 2 de julho de 2015, o Ministério de Saúde, por meio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA, instituiu a Resolução da Diretoria Colegiada – RDC N°26, que dispõe os requisitos de rotulagem obrigatória para todos alimentos alergênicos de origem industrial para o mercado brasileiro. A partir da publicação desta RDC, toda a indústria teve exatamente 12 meses para implementar esta nova regulamentação, dando início a um longo plano de adequação de embalagens, que só foi possível por meio de questionamentos técnicos e auditorias da indústria a seus principais fornecedores. Diante dos muitos questionamentos e dúvidas da indústria nacional, a ANVISA publicou diversas edições de Perguntas & Respostas no site da agência.

Diversos estudos, encontros e palestras foram realizados a partir da publicação da RDC 26/2015. Os principais assuntos sempre eram a preocupação com o consumidor, legislação brasileira e métodos analíticos disponíveis e suas diferenças. Com isso, o cenário gradativamente foi tomando uma nova forma e muitas barreiras foram sendo quebradas. A indústria passou a ver que a legislação, apesar de focar na garantia da informação ao consumidor, também trouxe maior robustez e garantias a todo processo industrial.

Métodos para identificação de alergênicos

No contexto analítico há três principais métodos para atendimento das demandas: ELISA (do inglês Enzyme-Linked Immunosorbent Assay), PCR (do inglês Polymerase Chain Reaction) e Cromatografia Líquida Acoplada à Espectrometria de Massas.

O método ELISA, o mais difundido atualmente para controle de alergênicos, é altamente específico a detecta somente um alergênico. Seu princípio consiste na detecção de proteínas ou peptídeos e por isso é considerado um método direto, uma vez que as reações alérgicas estão ligadas diretamente a proteínas. Amostras fermentadas, hidrolisadas e processadas termicamente precisam ser avaliadas previamente para verificar se o método pode ser aplicável.

O PCR consiste na detecção do DNA presente na amostra, existem métodos multiplex, que detectam até 4 alergênicos de uma só vez, porém é considerado um método indireto pois não detecta a proteína alergênica e sim o número de cópias de DNA. A conversão números de cópia de DNA para partículas por milhão (ppm) ou miligramas por quilograma (mg/kg) pode não ser condizente a realidade pois fatores extrínsecos degradam facilmente o DNA.

A Cromatografia Líquida Acoplada à Espectrometria de Massas (LC-MS/MS) é o método mais recente e ainda é o menos difundido, apesar de ser um método muito sensível e com pouca interferência a fatores extrínsecos. Este método está relacionado a detecção de fragmentos peptídicos específicos existentes em cada proteína alergênica, o método pode ser padronizado para detectar e quantificar diversos alergênicos em somente uma análise. Existem poucos laboratórios que realizam a detecção de alergênicos por LC-MS/MS, altos custos de equipamentos, manutenção, desenvolvimento dos métodos e especialistas na área são entraves.

Atenção ao Plano de Controle Alergênico (PCAL)

O cenário atual está sendo desenhado aos poucos, nos próximos anos ações das Vigilâncias Sanitárias Estaduais, principalmente da região sudeste do Brasil, prometem iniciar e/ou intensificar a fiscalização a fim de verificar fraudes (por omissão de ingredientes ou adulterações) e evitar recalls de produtos sem a devida rotulagem para alergênicos.

Escrito por

Mérieux NutriSciences

Como parte do Institut Mérieux, a Mérieux NutriSciences é um dos maiores grupos de laboratórios do mundo e se dedica a proteger a saúde dos consumidores, oferecendo uma vasta gama de serviços de análises laboratoriais às empresas e indústrias.

Receba nossas novidades